domingo, novembro 04, 2007

Orfeu e Ulisses derrotam as Sereias



Nas tradições míticas não faltam animais fabulosos como a Esfinge e as Sereias. Embora idealizadas há poucos séculos com corpo de mulher e cauda de peixe, as Sereias de origem grega tinham corpo de ave e busto de mulher. Eram entidades marinhas que cantavam de modo maravilhoso para encantar os marinheiros, que perdiam a direção de seus navios contra os rochedos e logo após eram devorados.

As belas Sereias eram filhas do deus-rio Aquêloo com Melpômene e participavam inicialmente do cortejo de Perséfone. Quando Hades raptou Perséfone, as Sereias (que variam em de duas, três ou quatro) pediram aos deuses que lhe dessem asas para que a procurassem por todo lugar. Deméter, a mãe de Perséfone, irritada por elas não terem impedido o rapto, teria transformado as Sereias em monstros.

Dois heróis gregos conseguiram resistir aos seus encantos: Orfeu e Ulisses. O lendário músico filho da musa Calíope aprendeu sua arte com o deus da música Apolo. Era tão divina sua música que acalmava a fúria de homens e animais. Orfeu encantou o mundo ctônio para falar com Hades. Orfeu também participou da expedição dos Argonautas em busca do Velo de Ouro. Quando os navegantes passaram pelo Mar das Sereias, Orfeu anulou a hipnose delas com sua música e salvou a todos do naufrágio.

(...)

Solange Firmino


Leia o texto completo na coluna Mito em Contexto, em Blocos online.


*Imagem: Ulisses de Waterhouse.


2 comentários:

Vera disse...

Ouvir o canto das sereias deve ser o máximo de nossos sonhos, mas como Ulisses estaremos sendo atados pelos nossos medos. Bem, nem tanto, às vezes nos deixamos levar completamente por esse canto, somos tragados e as conseqüências são iminentes. Se boas, medo vencido, prazer constituído, se ruins, restará safar-se de alguma forma.

a Ninha Dundes disse...

Solange,
Te vi lá no orkut. Gostei demais do que escreve.
Acho que já nos falamos em outras épocas. Voltei lá praa vitrine das vaidades pra reencontrar pessoas como que escrevem assim.